Quase todo brasileiro quer realizar o sonho da casa própria. A grande maioria desses brasileiros terá que passar por um financiamento imobiliário, estendido por 20, 30 anos. Para que esse financiamento seja aprovado, no entanto, o brasileiro que busca o financiamento tem de comprovar sua renda. Esta, por sua vez, também limita o valor máximo que o interessado poderá financiar de um imóvel, valor que na grande maioria das vezes não chega a 100% do valor do imóvel. Para conseguir comprar o imóvel, o interessado tem que conseguir uma renda mínima, ou sequer conseguirá a aprovação do financiamento.

Quanto eu posso financiar de um imóvel: renda mínima

Imóvel financiado pela CAIXA ou qualquer outro banco precisa de comprovação de uma renda familiar mínima para aprovação do financiamento. Renda familiar é a soma da renda de quem quer financiar o imóvel. Por exemplo, pode ser a renda de dois irmãos, um marido e esposa, namorado e namorada, a renda de uma família inteira, etc. Quanto maior a renda mínima, maior o valor do imóvel que poderá ser financiado.

A renda mínima é também um critério estabelecido para limitar o acesso a programas como o “Minha Casa, Minha Vida”, pois há um limite na renda familiar para que uma família possa financiar um imóvel pelo programa.

Muita gente não consegue comprar um imóvel porque não se preocupa com a Renda Mínima. Estamos aqui para ajudar nossos leitores sobre esse critério e como conseguir um imóvel com a renda mínima atual que você tem.

Financiamento da casa própria com renda mínima

A renda mínima para financiar o sonho da casa própria varia. Mas as estratégias para conseguir financiar uma porcentagem maior do imóvel e pagar menos juros são as mesmas. (Foto: plus.google.com)

Qual a renda minima para financiar um imóvel? Qual a renda mínima para comprar apartamento? E casa?

Depende do valor do imóvel que você quer comprar, independentemente se for uma casa ou apartamento. Temos algumas regras desse mercado que precisamos explicar, além de algumas dicas que podemos dar.

Regra dos 30%: a parcela de um financiamento imobiliário pode ter um valor máximo de 30% do seu salário. No cálculo para o financiamento de 20 ou 30 anos, portanto, haverá limitações no valor máximo que você poderá pagar. Exemplo: suponha que você queira comprar um imóvel de R$185 mil, 100% financiado em 20 anos. Sem contar os juros, você terá que pegar aproximadamente R$771 por mês. Para poder arcar com essa parcela, a renda familiar mínima terá de ser de aproximadamente R$2570. Importante lembrar que essa renda tem que ser comprovado com declaração do imposto de renda, carteira de trabalho, ou holerite.

Composição de renda: para financiar um imóvel de maior valor, a melhor forma é compor a renda familiar. Isso significa juntar mais de uma pessoa no financiamento afim de aumentar o valor máximo de parcela que pode ser pago, bem como aumentar o valor máximo de financiamento de um imóvel. Exemplo: usando o mesmo exemplo acima, se a renda de quem quer financiar o imóvel de R$185 mil for de R$1.500, não atinge o valor mínimo para a regra dos 30%. Ao compor a renda, juntando mais uma pessoa ao financiamento com renda mínima de R$1.070, já é possível conseguir atingir a regra dos 30% e financiar o imóvel.

Relacionamento com o banco: de acordo com o seu relacionamento com o banco, são cobrados menos juros. Menos juros, significam que as parcelas serão menores, e você pode aumentar o valor do imóvel financiado. Relacionamento com o banco significa ter uma conta no banco, passar a receber sua conta salário no banco, usar outros produtos e serviços do banco, etc. Exemplo: usando nosso exemplo, suponha que os juros sejam de 1,5% ao mês. O valor da parcela do financiamento será de aproximadamente R$783. Para poder respeitar a regra dos 30%, a renda mínima terá de ser maior para esses juros, indo de R$2570 para R$2610. Se você tem um relacionamento com o banco que reduz esses juros para 1% ao mês, as parcelas terão o valor aproximado de R$779, sendo necessária uma renda mínima de R$2597 para poder financiar o imóvel. Quanto menos juros você pagar, menor a renda mínima que você precisa comprovar, e maior o valor do imóvel que poderá ser financiado.

Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI): o financiamento de um imóvel pode se encaixar em um deses dois sistemas. Para se encaixar no SFH, o imóvel tem de atender a alguns critérios, como valor máximo (geralmente até R$750 mil), quem financia pelo SFH não pode ter outro imóvel em seu nome, há limite de juros máximos que podem ser cobrados do cliente, entre outros critérios. Atendendo a esse requisito, é possível usar o FGTS para pagar as parcelas ou saldo devedor do financiamento do imóvel. No SFI, não há limitações de valores para os imóveis, e não é possível usar o FGTS para pagar as parcelas ou saldo devedor. Para financiar um imóvel, no SFH é possível financiar até 70% do valor de um imóvel usado e até 90% do valor de um imóvel novo. Para um imóvel no SFI, é possível financiar até 60% do valor do imóvel usado, e até 70% de um imóvel novo. Isso influencia na nossa regra dos 30%, além do valor necessário para dar de entrada na compra de um imóvel.  Exemplo: no nosso imóvel de R$185 mil, supondo que seja um imóvel usado, pelo SFH será necessária uma entrada de R$55.500 para poder financiar o restante. Pelo SFI, é necessária uma entrada de R$74.000.

Funcionário público e funcionário privado: funcionário público paga menos juros e tem direito a financiar uma maior porcentagem do imóvel. Funcionário privado paga mais juros e tem direito a financiar uma porcentagem menor do imóvel. Trocando em miúdos, no nosso imóvel de R$185 mil, um funcionário público pode ter uma renda menor e financiar uma porcentagem maior do imóvel, dando uma entrada menor. Um funcionário privado tem que ter uma renda familiar mínima maior para financiar um imóvel de R$185 mil, além de ter que dar uma entrada maior.

Valor de entrada: resumindo, quanto maior o valor de entrada no imóvel, menor será a renda mínima necessária para financiar o imóvel, já que o valor a ser financiado será menor.

Entenda um pouco mais sobre como o banco calcula a renda para o financiamento de um imóvel com o vídeo abaixo:

Quanto posso financiar com minha renda?

Ao pesquisar para escrever este artigo, vimos muitas perguntas sobre “qual a renda para financiar um imóvel de 200 mil”, “quanto eu preciso ganhar para financiar um imóvel de 60 m²”. O problema de responder essas perguntas, com valores exatos, é que as respostas mudam muito rápido, bem como os limites de financiamento, os valores dos imóveis, a região onde você mora.

Os conselhos que damos acima são suficientes para tornar possível um planejamento financeiro para a compra de um imóvel. Simuladores de financiamento online vão ajudar a estabelecer os valores exatos de renda mínima, parcelas, e valor máximo de financiamento para um imóvel. Colocando essas estimativas no papel, e depois simulando os valores em um simulador online, dá pra planejar muito bem quando e como comprar sua casa própria. Pense se vai ser um imóvel usado, um imóvel novo, quanto tempo você e sua família precisam para economizar até dar a entrada no imóvel. E se tiver alguma dúvida, volte nos comentários que teremos o prazer em ajudar.

2 comentários para “Qual a renda mínima para comprar apartamento? E casa?”

  1. Loraine

    Posso compor a renda para que uma amiga compre um apartamento, mesmo que eu tenha um financiamento com a caixa em andamento?

    Responder
    • Equipe 2 Quartos

      Loraine, provavelmente não vai ajudar muito, e é bem possível que não seja aceita.

      Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)