A realização de um projeto de reforma pode acabar com o bom humor de qualquer um. Para a maioria das pessoas, é uma nova experiência, um dos maiores gastos que eles irão fazer, e essas pessoas se vêem dependentes de outras que sabem muito mais sobre o processo do que eles mesmos, o que pode ser muito desconfortável. Nossa ideia aqui é te mostrar, com nossa experiência e conversas com profissionais da área, os problemas mais comuns que podem acontecer durante uma obra, e a solução para cada um deles.

Problemas com reforma: o caos e a bagunça

Se você está pensando em viver em sua casa enquanto a reforma está sendo feita, está indo pelo caminho certo, porque a obra tem que ser vigiada. Mas se planeje para o completo caos e bagunça. Obras e reformas são confusas e barulhentas, e irá parar completamente sua rotina normal enquanto ela está acontecendo.

A maioria dos construtores começam as obras no início da manhã, então você terá que se acostumar a tomar o café da manhã ao som de furadeiras e serras. Às vezes, durante a reforma, você provavelmente terá que viver sem alguns bens por um curto tempo, como máquina de lavar, fogão, geladeira, etc, e pode até haver períodos em que faz sentido ficar um ou dois dias fora de casa.

Solução: organização e limpeza, na medida do possível. Lembre a quem estiver trabalhando no local que tudo deve ser deixado bem organizado. Use sacos plásticos e lonas para separar a área da reforma das outra áreas da casa. Todos devem contribuir para deixar a casa limpa o suficiente para viver e conviver com a reforma.

Reforma antes e depois do estresse emocional

Mesmo contratando alguém para gerenciar o trabalho, você provavelmente vai descobrir que o seu projeto de melhoramento da casa leva mais de seu tempo e paciência do que você espera. E as demandas em seu tempo são muitas vezes urgentes, porque os atrasos de sua parte irão refletir-se em atrasos de projetos. Às vezes, todas estas decisões podem paralisar os proprietários, especialmente aqueles que não gostam de tomadas de decisão, e podem trazer um projeto para uma parada completa. Isso sem contar os pequenos estresse do dia a dia de uma obra que, em algum momento, farão você explodir de alguma forma.

Solução: faça um projeto, seja com um arquiteto ou com um engenheiro, mas faça um projeto. O maior erro de toda reforma é achar que dá pra fazê-la sem ter um projeto. O que mantém os estresses sob controle é saber que tudo faz parte de um plano maior, e um projeto bem elaborado vai contabilizar ou pelo menos te preparar para problemas e adaptações necessárias no dia a dia da reforma.

Importância do planejamento de reforma

Sobreviver a uma reforma é uma tarefa hercúlea. É necessário planejamento e, principalmente, muita paciência, para conseguir lidar com toda a reforma de uma casa ou apartamento. (Foto: www.hgtv.com)

Reformas de casas: o problema de não ver o resultado final

Muitos proprietários têm dificuldade em visualizar como o projeto ficará quando ele for concluído. Enquanto você pode começar a ver uma planta baixa da obra concluída e as amostras dos materiais a serem utilizados como acabamentos, isto nem sempre é suficiente. Os proprietários, por vezes, ficam decepcionado com o final de um projeto, quando a realidade não corresponde à visão que eles tinham em suas mentes.

Solução: já falamos sobre fazer um projeto ali em cima. Junto com o projeto,peça desenhos, renderizações, imagens em 3D, fotos de reformas de apartamentos. Visualize junto com o seu Responsável Técnico para não se arrepender depois e acabar tendo que gastar dinheiro refazendo a obra.

Expectativas irrealistas sobre o rendimento do trabalho

Alguns proprietários não entendem que o trabalho pode demorar mais do que o esperado, e alguns trabalhos demoram mais do que outros. Por exemplo, se sua parede estiver torta, para endireitar o reboco da parede, o pedreiro precisará de tempo para esperar a “primeira mão” de massa secar, para então conseguir engrossar a massa e deixar as paredes retas. Sem exagero, isso pode tomar metade do dia de serviço, dependendo do tamanho da parede.

Solução: anote todas as tarefas que tem de ser realizadas no dia ou peça ao mestre de obras para repassar isso para você. Deixe isso em um papel visível a todos os trabalhadores. Tenha serviços que podem ser feitos por pedreiros e por serventes separadamente, para que um possa ir adiantando o outro serviço nos momentos de ociosidade. Converse com o pedreiro para saber o tempo de cada tipo de serviço e coloque no seu planejamento de acordo.

Problemas interpessoais e legais

Você e seu pedreiro, engenheiro, arquiteto, ou mestre de obras não vão concordar com muita coisa que você sugere. A menos que seu projeto seja muito pequeno, você precisará de um alvará de construção e reforma, estar em conformidade com os códigos de construção da ABNT, lidar com a burocracia das prefeituras, lidar com pessoas que discordam o que você quer que seja feito e não assumem erros. Enfim, é uma zona de guerra completa.

Solução: seja humilde e ouça antes de sair falando. Acima de tudo, faça toda documentação e pegue todas as licenças antes de começar as obras. Isso vai evitar problemas legais durante o processo, e o estresse com as pessoas que não fizeram isso por você.

Dinheiro – ou a falta dele!

Para manter o trabalho em ordem, os materiais devem ser encomendados e pagos regularmente. E isso significa sempre ter dinheiro também para imprevistos. Um projeto de reforma pode até dobrar de valor para apartamentos e casas mais antigos, por conta de imprevistos.

Solução: se sua obra ou reforma custar R$5.000, incluindo mão de obra, só comece a obra quando tiver R$7.500. 50% é uma margem de segurança para evitar problemas. E não tenha medo de parar a obra pela metade: mesmo planejando quanto vai custar uma reforma, é melhor separar em etapas para economizar dinheiro, tempo, e te poupar do estresse. Aumente em 100% o dinheiro a mais do valor base da reforma se seu apartamento ou prédio tem mais de 20 anos desde a construção.

Problemas inesperados

Seu pedreiro ficar doente por uns dias, o servente faltar em outro, um cano que foi furado e precisa ser trocado, falta de luz no bairro, mofo pela casa. Esses acontecimentos inesperados custam tempo e dinheiro.

Solução: lembre-se dos 50% do valor total da obra para gastos inesperados. Além do valor financeiro, acrescente 50% também a mais no tempo que a obra vai demorar para ficar pronta. Prepare-se também para ajudar, fisicamente, em muitas etapas da obra.

Atraso na reforma

São inevitáveis os ​​atrasos em trabalhos de reformas, e não é sempre culpa da empreiteira, mestre de obras, ou pedreiro. Parte do problema é que, ao contrário da construção de uma nova casa (que é bastante previsível) reformas exigem trabalho extra, para problemas que não podem ser vistos até paredes e pisos serem completamente removidos.

Solução: as soluções têm de ser desenvolvidas no local, assim que os problemas aparecem, para lidar com esses problemas. É bom separar também 50% do tempo planejado na reforma para imprevistos. Se a construção tem mais de 20 anos, aumente em 100% esse tempo disponível. É questão de sobrevivência básica a uma reforma planejar esse tempo extra para imprevistos.

Dinheiro faltando para terminar a obra

Às vezes, os proprietários não têm dinheiro suficiente disponível para fazer todo o trabalho que realmente precisa ser feito para um projeto. Nesse momento, muitas famílias cometem o erro de se endividar para terminar a obra, ou comprar material de pior qualidade. Deve haver paciência e força de vontade.

Solução: corte alguns itens da reforma para fazer o projeto caber no orçamento. E faça o que é mais urgente primeiro. Infiltração? Então você precisa de impermeabilização. Problemas com rachaduras? Descobrir a causa e mandar consertar. Apenas e somente em casos de extrema urgência, onde o apartamento, seus moradores, e vizinhos correm risco de vida é que você deve fazer um empréstimo para pagar o término de uma obra.

Falta de qualificação dos trabalhadores na reforma

Não é desmerecendo ninguém, mas fato é que pedreiros e serventes são muito mal qualificados. Poucos deles tem formação até o ensino médio, quiçá um curso técnico. O problema disso é que o diálogo fica difícil, e sugerir o uso de novas tecnologias no trabalho pode encontrar bastante resistência.

Solução: converse com os trabalhadores antes de começar a obra e deixe claro como ela será feita. Converse sobre o que funciona e não funciona, e aprenda a escutar a experiência desses trabalhadores também. Mas não deixe de exigir que eles usem EPI, que tentem usar ferramentas novas para facilitar o trabalho, e também te escutem quando for necessário.

Tem mais algum problema de reforma que esquecemos de citar? Alguma solução que você gostaria de compartilhar conosco? Deixe nos comentários!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)