Cortinas personalizadas inteiras têm uma merecida reputação de riqueza e drama, mas não é necessariamente a melhor escolha para cada quarto. Onde uma aparência mais aerodinâmica é desejada ou o espaço é precioso, as cortinas romanas – coberturas de janela de tecido que se empilham perfeitamente na parte superior da janela quando retraídas – podem ser a melhor opção.

O que são cortinas romana?

As cortinas romanas são mais rigorosas, menos exigentes e mais modernas. Elas podem fornecer uma aparência arquitetônica mais limpa do que cortinas completas na maioria das situações. Além disso, as cortinas romanas têm um apelo prático. Quando você tem outros modelos de cortinas, você não pode fazer cortinas inteiras. As cortinas romanas podem oferecer cobertura de janelas, sem as preocupações de espaço na parede ou falta dele.

Mas nem todas as cortinas romanas são criadas iguais, e entender as opções disponíveis vai te ajudar a escolher os melhores modelos para suas necessidades.

Tecido para cortina romana

A escolha do tecido é a decisão mais crítica ao planejar cortinas romanas personalizadas, e não é só porque o material definirá a cor e o padrão do produto acabado. O tecido também afetará a translucidez da sombra, bem como a facilidade de operação e empilhamento quando retraída.

Quando você seleciona tecido para uma cortina, os materiais de peso leve e médio são bons, mas é importante evitar tecidos muito enfeitados ou aqueles que são rígidos demais. Você quer que as dobras se deitem bem uma em cima da outra, e quanto mais espessa for sua malha, mais difícil é conseguir.

Felizmente, é fácil testar a flexibilidade com uma amostra de tecido. Dobre algumas vezes para ter uma ideia de como ela reage à moldagem. Se o tecido não ficar liso, pode não ser o melhor candidato.

Cortinas romanas

Cortinas romanas são simples e combinam muito com o estilo minimalista, dando um toque especial para seu lar. (Foto: Etsy)

Soltas x Estruturadas

Embora existam muitos detalhes disponíveis, o estilo geral de uma cortina romana geralmente cai em um dos dois campos: soltas ou estruturadas. Cortinas soltas não têm suportes rígidos dentro e permitem que o tecido caia suavemente sob seu próprio peso, o que cria uma curva na parte inferior das cortinas quando elas são levantadas.

As cortinas estruturadas foram costuradas em hastes horizontais, cavilhas ou ripas para criar uma aparência mais rígida com uma borda reta na parte inferior. Os bastões podem ser adicionados na parte inferior da sombra ou em cada dobra em toda a altura da sombra, dependendo da aparência desejada.

Sua decisão sobre qual estilo usar normalmente depende do tecido que selecionado. Se o tecido é bastante rígido, a cortina estruturada é melhor. Se é um tecido macio, então é melhor uma cortina solta.

Ambos modelos funcionam igualmente bem na maioria das janelas de tamanho padrão. No entanto, em janelas muito largas, cortinas soltas podem se tornar difíceis de gerenciar. Você pode ter que fazer uma pequena amarra depois de levantá-las e manualmente suavizar as dobras de cada vez. Mas, com as cortinas estruturadas, uma vez que o tecido aprende suas dobras, elas tendem a funcionar sem falhas todas as vezes.

Forro de cortina romana

Nem todas as cortinas precisam ser revestidas. Para simples cortinas romanas, muitos designers usam o tecido selecionado por si só para uma aparência visualmente leve. Mas em outras situações, usar um forro – um tecido secundário costurado na parte de trás do material da frente – pode dar às cortinas uma aparência mais acabada e luxuosa.

Há muita coisa acontecendo atrás da cortina que não é necessariamente destinada a ser vista. O forro ajuda a esconder as cordas de sustentação na parte de trás da cortina quando a luz é filtrada por trás, reduzindo também a quantidade de sol que entra na sala.

A escolha do material de revestimento normalmente varia de acetinado de algodão leve translúcido a forro de escurecimento, que elimina quase toda a luz do sol que passa pela cortina. A escolha depende do cômodo. Se é um quarto e as cortinas são o único tratamento de janela, um forro de escurecimento é melhor. Mas as salas de estar normalmente requerem apenas um forro mais leve.

Alguns tecidos também se beneficiam da adição de entretelas, um material ligeiramente mais grosso entre o tecido da frente e o forro que dá à cortina uma aparência mais substancial. Por exemplo, a seda por si só pode ser muito plana. Para a seda realmente brilhar, uma entretela adiciona corpo.

Controles para cortinas romandas

Uma cortina romana pode ser elevada e abaixada com três tipos de controles – motores elétricos integrados, um sistema de loop contínuo ou cordão e presilha. Não há uma só melhor solução. Cada uma é igualmente pouco atraente, mas é necessário.

As cortinas motorizadas oferecem o máximo em conveniência, pois podem ser operadas com o pressionar de um botão e programadas para assumir posições pré-definidas. Mas eles também são a solução mais cara e requerem fiação elétrica que atinja cada cortina, o que geralmente pode ser adicionado apenas durante uma grande reforma.

O loop contínuo, que usa um comprimento de corrente com contas para girar um mecanismo de embreagem que eleva e abaixa todas as cordas de elevação igualmente, é o controle manual mais popular porque é fácil de operar e consistente.

Corda e presilha, onde todas as cordas de elevação são combinadas em um único fio preso por uma trava ou presilha de cabo, oferecem uma aparência mais tradicional e uma operação mais silenciosa do que o loop contínuo, mas também têm a maior chance de mau funcionamento. Como você tem todas essas cordas condensadas em um único cabo, às vezes um deles pode ficar preso, e então a sua cortina se erguerá de lado.

Colocação da cortina romana

Uma das grandes questões ao especificar cortinas romanas para um cômodo é montá-las dentro ou fora dos caixilhos das janelas. Às vezes simplesmente não há espaço suficiente dentro de uma moldura de janela para segurar uma cortina, o que torna a decisão fácil. Caso contrário, tudo depende da arquitetura.

Se é uma casa moderna e as armações não são particularmente atraentes, as persianas podem ficar para fora e por todo o caminho no topo das paredes. Isso sempre adiciona um senso de altura, o que nunca é ruim. Por outro lado, se os quadros são bonitos e a arquitetura clássica, é melhor ficar dentro da janela, para não obscurecer a decoração das molduras.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)